domingo, 15 de julho de 2012

Não sei se caso ou compro uma bicicleta









Thayze Darnieri


"Não sei se caso ou compro uma bicicleta". Por vezes, ainda me impressiono com a genialidade da simplicidade do clichê. Sempre usei tal expressão com ironia ao me referir a seres excessivamente indecisos, no entanto, algo de uns dias para cá clareou meus pensamentos e pude compreender a profundidade arraigada no populacho.

Mergulhada em emoção devido ao envolvimento com o resultado, julguei a indecisão alheia superficialmente citando o malfadado ditado mentalizando o significado simplório: casamento é compromisso e a bicicleta alude a liberdade. Para tanto, uma escolha elimina a outra, se vivo pelo vento no rosto não posso fechar a janela ao passo que se opto pelo compromisso devo ver a vida por entre as grades.

O óbvio piscava com luzes florescentes bem diante dos meus olhos. Ao contrário do que supunha, o dito não falava sobre as amarras do compromisso ou do regalo da vida de solteiro, discursa a respeito da importância do equilíbrio. Sendo assim, da mesma forma que para manter-se em uma bicicleta é necessário pedalar, no casamento é imperioso estar disposto a mantê-lo para não cair.

No fim das contas, a questão não se resume somente a escolha, afinal, nem sempre cabe o exercício da lógica. Apenas, equilibre-se!


Nenhum comentário:

Pop